Meus Heróis Não Morreram de Overdose

601218_562843483743954_284605862_n

Imagem de A Casa de Vidro

Por Gilberto Marinho

Começo este post, enaltecendo a celebre frase de Charles Darwin, dizendo que – “Não é o mais forte, nem o mais inteligente que sobrevive mas o que melhor se adapta as mudanças“, e tenho observado inúmeros jovens e adultos que idolatram e endeusam alguns seres repugnantes da existência humana.

Alcoólatras, psicopatas, doentes mentais, genocidas, enfim, homens bombas, integrantes de seitas extremistas, dependentes químicos, etc. Inúmeros seres que alcançaram poderes absolutos em seus países e dizimaram milhares de vidas em nome de um propósito ou desejo pessoal, trazendo sofrimento, medo e servidão a seu povo, e são festejados como heróis.

Meus heróis não morreram de overdose porque não tiveram tempo para se drogarem, o tempo deles não era ocupado com protestos e vandalismos, ao invés deles protestarem, saíram em campo e arregaçaram as mangas e foram à luta, tapando as lacunas de um sistema falho, dedicaram suas vidas em ajudar o próximo, esses é que são heróis.

Reinaldo Azevedo em seu texto, afirma que – “Os meus heróis não morreram de overdose porque isso é luxo que não se consente a determinadas faixas de renda. Essa “overdose” sempre supõe que o tal “herói” foi uma espécie de paladino da luta contra a opressão. Qual opressão? Qualquer uma que possa servir de pretexto para enfiar o pé na jaca. Se meus heróis não morreram de overdose, tive, isto sim, amigos de infância e pais de amigos que se meteram com a bandidagem e o narcotráfico e que hoje estão mortos”.

Meus heróis viveram para dar o exemplo a ser seguido, a Bíblia diz que: “Deus não criou nenhuma de suas criaturas para o sofrimento eterno”. E Nelson Mandela disse – “Que ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar.

Portanto, é uma questão de escolha, e como diria Madre Teresa de Calcutá – “As mãos que ajudam são mais sagradas do que os lábios que rezam”. Tem coisas que Deus dá pra gente aprender, e tem coisas que Deus só dá quando a gente aprende.

Reflitam

Fonte: Reinaldo Azevedo (Veja)

Um comentário sobre “Meus Heróis Não Morreram de Overdose”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s